Jornalistas que cobriam noites de protestos e distúrbios foram atacados

Localmente

Em qualquer dia, qualquer um desses ataques seria digno de notícia. Sexta à noite, eles eram numerosos.

Um segurança caminha atrás de vidros quebrados no prédio da CNN no CNN Center após uma manifestação contra a violência policial no sábado, 30 de maio de 2020, em Atlanta. (Foto AP/Brynn Anderson)

Este artigo foi atualizado.

Em qualquer dia, qualquer um dos ataques que mencionei nesta coluna seria digno de notícia. O fato de que esta é apenas uma amostra dos muitos ataques a jornalistas neste fim de semana ressalta os perigos que eles estão dispostos a enfrentar para documentar uma onda de raiva, frustração e, em alguns casos, violência oportunista sem sentido.

Uma multidão invadiu o fotógrafo-chefe da WLKY, Paul Ahmann, o derrubou no chão e o cercou enquanto ria e tirava fotos dele.

O fotógrafo-chefe da WLKY, Paul Ahmann, foi atacado por uma multidão e jogado no chão. Ele sofreu ferimentos leves. (Captura de tela de um vídeo do Facebook Live por Chris Coleman)

Enquanto o fotojornalista WLKY estava deitado no chão, os espectadores o aplaudiram e o fotografaram. (Captura de tela de um vídeo do Facebook Live por Chris Coleman)

Manifestantes destruíram carros de notícias em Boston, Atlanta, Louisville e Los Angeles. Eles jogaram garrafas em repórteres em Minneapolis, pegou um repórter enquanto ela estava no ar em Phoenix e quebrou as janelas e o icônico letreiro da CNN do lado de fora da sede das redes em Atlanta.

Um manifestante agarra a repórter da KPHO CBS 5/KTVK 3TV, Briana Whitney, e se lança para um microfone na TV ao vivo. (Captura de tela, Twitter, @BrianaWhitney)

A polícia aumentou o perigo. Em Louisville, um policial disparou mais de meia dúzia de tiros não letais PepperBall que hit repórter da WAVE-TV Kaitlin Rust e fotojornalista James Dobson . Dobson disse que estava usando um colete de proteção que dizia “imprensa” em letras refletivas, mas recebeu vários tiros no peito de um policial que atirou diretamente contra a equipe de reportagem ao vivo na TV. Rust gritou no ar quando a bala a atingiu, mas continuou relatando mesmo enquanto o oficial apontava sua arma. A tripulação disse que estava atrás das linhas da polícia quando o policial atirou.

Um policial aponta sua arma diretamente para a câmera de TV ao vivo e dispara várias rodadas, atingindo um fotojornalista e um repórter (Capturas de tela da WAVE-TV Louisville)

Algumas horas depois, a estação disse que um oficial de informações da polícia pediu desculpas. A gerência da WAVE-TV e os líderes corporativos da Grey Television pediram ao departamento de polícia que iniciasse uma investigação.

(Captura de tela, Facebook)

Um fotojornalista do Denver Post também foi atingido por tiros da polícia PepperBall.

O jornalista de mídia social da NBC, Micah Grimes, cobrindo os protestos em Minneapolis, estava entre vários jornalistas que disseram que a polícia disparou tiros não letais diretamente contra eles.

Em Las Vegas, a polícia prendeu dois jornalistas que cobriam um protesto majoritariamente pacífico na Strip de Las Vegas.

O Las Vegas Review-Journal relatou :

“É espantoso que os policiais de Las Vegas, que não têm nada a ver com o que aconteceu em Minnesota, tenham detido com tanta força duas pessoas que obviamente trabalhavam como fotojornalistas e não representavam ameaça à aplicação da lei ou à segurança pública”, disse o Review-Journal Executive. O editor Glenn Cook disse no sábado. “Eles nunca deveriam ter sido tocados, muito menos presos e depois levados para a cadeia.”

Os ataques a jornalistas continuaram no sábado. Ian Smith, fotojornalista da KDKA-TV em Pittsburgh, postou uma selfie de uma ambulância.


O Comitê de Repórteres para a Liberdade de Imprensa disse que tem advogados voluntários de plantão para jornalistas que precisam de ajuda legal para cobrir os levantes.

Entre em contato com eles pelo telefone 800-336-4243 ou pelo e-mail em hotline@rcfp.org .

Também elaborei este guia para jornalistas que cobrem conflitos.

Al Tompkins é professor sênior da Poynter. Ele pode ser contatado por e-mail ou no Twitter, @atompkins.